Diante dos episódios registrados em Goiás no dia 15 de fevereiro, quando o governo Marconi Perillo (PSDB) ordenou, por motivos puramente políticos, a prisão de 30 estudantes (13 dos quais menores de idade) e um professor universitário, a Adusp expressa seu repúdio a essa agressão às liberdades democráticas e civis.
 
Também em São Paulo, a Polícia Militar do governo Geraldo Alckmin (PSDB) perseguiu truculentamente os estudantes que se opuseram à chamada "reorganização escolar", o que indica que para determinados governantes as questões sociais continuam sendo "caso de polícia", como na República Velha.
 
Encarcerar pessoas por "delito de opinião" e de manifestação, acusando-as da prática de crime organizado e jogando contra elas o aparato repressivo da Polícia Militar e da Polícia Civil, bem como impedir a atuação de advogados, configuram graves afrontas à democracia.
 
No caso de Goiás, o "crime" dos jovens consistiu em ocupar a Secretaria da Educação para protestar contra a entrega da rede pública estadual de ensino à gestão privada.
 
A Adusp solidariza-se com os manifestantes goianos, que permaneceram detidos por dois dias, ao mesmo tempo em que se junta a todos os que denunciam as práticas oligárquicas e privatistas do governo Perillo -- e que se opõem à sua decisão lesiva de transferir a gestão da rede pública estadual de ensino a "organizações sociais" privadas.
 
A Diretoria da Adusp
São Paulo, 18 de fevereiro de 2016
 
 
 
 

 

 
 

Notas da Diretoria

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.