Próxima sessão da Assembleia Geral Permanente da Adusp

2ª feira, 28/7, às 15h, no Anfiteatro da História

 

Pauta:

  • Desinterdição da EACH: providências a tomar.
  • Avaliação do indicativo do Fórum das Seis de ato estadual unificado no Palácio dos Bandeirantes em 14/8/2014.
  • Continuidade do movimento: propostas de luta e mobilização para o início do 2º semestre de 2014.

Não entrega de notas

A campanha de apoio à greve com a não entrega de notas está sendo bem sucedida e seu resultado foi atestado pela pró-reitoria de graduação em comunicado do dia 22 de julho, no qual afirma que, “atendendo inúmeras solicitações das unidades”, irá reabrir o sistema. Não cadastrar as notas é uma importante forma de pressão sobre a reitoria, neste sentido a campanha continua!

Audiência com o governador do Estado de São Paulo

Em reunião realizada no dia 22 de julho, o Fórum das Seis aprovou um pedido de audiência com o governador do Estado de São Paulo, protocolado na Casa Civil no dia 23, solicitando “tratar de políticas para o financiamento adequado” das universidades estaduais paulistas “diante da expansão ocorrida a partir de 1995 e da relevância social das atividades de ensino, pesquisa e extensão que todas elas realizam”.

Ofício CODAGE CIRC 012-2014

Durante sua reunião, o Fórum das Seis tomou conhecimento do teor do ofício CODAGE CIRC 012-2014, enviado às unidades no dia 21/7/2014, que contém esclarecimentos da Procura­do­ria Geral da USP, “tendo em vista dúvidas levantadas por dirigentes em relação ao comportamento em face do movimento grevista”.

 

 

Adusp e Sintusp também se manifestaram a respeito do ofício e aprovaram a seguinte nota:

 

Não aceitaremos corte de ponto de docentes ou funcionários técnico-administrativos

A Associação dos Docentes da USP (Adusp Seção Sindical do Andes Sindicato Nacional) e o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) vêm a público declarar que consideram inaceitáveis quaisquer medidas que tenham por objetivo o corte do ponto de docentes ou funcio­ná­rios técnico-administrativos em greve na Uni­ver­sidade de São Paulo, a exemplo das “orien­ta­ções” objeto do ofício CODAGE/CIRC/012/2014. Tais medidas, de caráter autoritário, discriminatório, intimidatório e persecutório, constituem-se num atentado ao direito de greve consagrado na Consti­tui­ção, além de aumentar a respon­sabilidade da administração pela gravidade da crise. Caso implementadas, visam impor o ônus do corte de salários àqueles que, legitimamente, se encontram em greve, na luta por melhores condições de trabalho e salários, diante da intransigência da administração que se nega à necessária interlocução por meio da qual o impasse poderia ser resolvido. Posturas deste tipo serão rechaçadas com energia pelas entidades signatárias.

São Paulo, 23 de julho de 2014.

Diretoria da Adusp
Diretoria do Sintusp