O governo João Doria (PSDB) está disposto a aprovar a qualquer preço a PEC 18/2019, peça fundamental do seu “pacote” de reforma da Previdência Estadual. A reforma vem encontrando resistência do funcionalismo público e até de parte da bancada governista, e foi aprovada em primeiro turno com o número mínimo de votos. Nesta terça (3/3) pela manhã, quando manifestantes procuravam barrar a votação da PEC em segundo turno, a Tropa de Choque da Polícia Militar ingressou na Assembleia Legislativa (Alesp) e os agrediu com golpes de cassetete, spray de pimenta e até disparos de balas de borracha. A finalidade da violência: impedir o acesso dos manifestantes às galerias. Deputados pediram a suspensão da sessão, mas o pedido foi ignorado pelo presidente da Alesp, Cauê Macris (PSDB), que incumbiu a tropa de choque de “garantir o ambiente”.