Foto: Daniel Garcia

Ato contra o processo de impeachment em curso na Câmara dos Deputados lotou na manhã desta quarta-feira, 16/12, o auditório do Centro Acadêmico XI de Agosto, da Faculdade de Direito da USP (FD). Participaram centenas de docentes da USP, da Unicamp e de outras instituições de ensino superior, públicas e privadas. Foi divulgado o manifesto “Impeachment, legalidade e democracia”, assinado por docentes.

fotos: Daniel Garcia
TITLE_OF_LIGHTBOX

De acordo com o manifesto, esse instrumento legal deve ser usado para proteger a democracia e não para enfraquecê-la. “O que está em jogo são a democracia, o Estado de Direito e a República, nada menos. Acompanharemos tudo com olhos vigilantes e esperamos que, ao final do processo, a presidente da República possa terminar seu mandato”.

Compuseram a mesa Alfredo Bosi (FFLCH), Dalmo Dallari (FD), Ermínia Maricato (FAU), Fábio Konder Comparato (FD), Leda Paulani (FEA), Luiz Carlos Bresser-Pereira (FGV), Luiz Gonzaga Belluzzo (Unicamp), Marcos Nobre (Unicamp), Maria Victória Benevides (FE), Marilena Chauí (FFLCH), Miguel Nicolelis (Instituto Internacional de Neurociências de Natal), Paulo Arantes (FFLCH), Roberto Schwarz (Unicamp) e André Singer (FFLCH), que coordenou os trabalhos. Diversos oradores destacaram o fato de se tratar de um ato apartidário e unitário.

A convite da mesa, a professora Heloísa Borsari leu a manifestação da diretoria da Adusp contra o processo de impeachment, aprovada em 15/12. De acordo com o texto, este mecanismo legal “está, no contexto atual, sujeito a manipulações por grupos de interesse”. No entanto, a diretoria da Adusp assinalou “sua enérgica discordância em relação à atual política econômica e às políticas federais e estaduais de aprofundamento da privatização do Estado e de cassação de direitos sociais dos trabalhadores”.

 

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.