No dia 17/2, o Diretório Central dos Estudantes-Livre "Alexandre Vannucchi Leme" (DCE) promoveu a Calourada Unificada, atividade tradicionalmente realizada na semana de recepção dos calouros da USP, com o intuito de realizar debates políticos entre estudantes, docentes e ativistas de diversos movimentos sociais. O ano de 2016 tem um caráter especial para a Calourada, já que o DCE comemora 40 anos de sua refundação, após a proibição de suas atividades durante o período da Ditadura Militar (1964-1985). Porém, nem todas as atividades planejadas chegaram a acontecer.
Estava marcada para 19h30 a festa de encerramento da Calourada, chamada "Festival Proibido" e que se realizaria em frente ao edifício do Museu de Arte Contemporânea (MAC), que terminou não acontecendo. O nome fazia referência à proibição da realização de eventos festivos na USP, bem como a comercialização e consumo de bebidas alcoólicas nas dependências da universidade, determinadas pela Resolução 7.088/15, baixada pela Reitoria.
 
A decisão de impedir o "Festival Proibido" partiu de Osvaldo Shigueru Nakao, superintendente do Espaço Físico da USP. Nakao, que acumulava até 18/2 o cargo de chefe de Gabinete da Reitoria, proibiu a entrada no campus do Butantã de um trio elétrico que seria utilizado pelo DCE para a realização da festa.
 
Os membros do DCE tentaram negociar com a Reitoria, mas a decisão de proibir a entrada do trio elétrico foi reforçada com a presença de viaturas da Polícia Militar nos portões de acesso da Cidade Universitária. O caminhão foi bloqueado no Portão 2. O incidente atrasou a realização de um Ato Público convocado para às 17h30 no Auditório da História, chamado "Os de dentro lutam com os de fora: cotas e permanência já!" e que contaria com a presença de militantes do movimento negro.
 
Por outro lado, os membros do DCE não conseguiram utilizar o auditório da História para a realização do Ato Público, embora ele estivesse reservado desde janeiro pela entidade para as atividades da Calourada. Motivo: o auditório também fora reservado para a realização da Aula Magna da FFLCH, no horário das 17h30. Porém, a Aula Magna estava prevista para acontecer apenas às 19h30 e de fato começou nesse horário, porém no auditório da Geografia.
 
O impasse só foi resolvido quando o DCE conseguiu liberar o auditório da História para a realização do Ato Público. "A Calourada tem a tradição de dar o 'pontapé inicial' nas atividades do movimento estudantil, na luta pela democratização da universidade e na luta por cotas. A Reitoria claramente percebe isso e faz de tudo para inviabilizar nossas atividades, vide o caso do trio elétrico. Sobre a questão do auditório, a burocracia da FFLCH, na figura de Sérgio Adorno, que aspira a altos cargos na Reitoria, tinha a intenção de igualmente dispersar nossas atividades e esvaziar o debate político", declara Guilherme Fregonese, membro do DCE, referindo-se ao diretor da unidade.
 

Ocupação Preta

Mal havia começado a Aula Magna e membros do coletivo Ocupação Preta entraram no auditório onde o professor José de Souza Martins ministraria a conferência "O Homem Simples no desenvolvimento das Ciências Humanas na Faculdade de Filosofia da USP". A ocupação ocorreu com os manifestantes entoando a poesia "Notícias", de José Carlos Limeira, um dos autores de maior destaque do movimento negro.
 
"Mais um ano e a USP não tem cotas. Há vinte anos, o Núcleo de Consciência Negra (NCN) ocupou um espaço perto da FEA e, por várias vezes, essa Universidade tentou derrubar e destruir o NCN. E sabe por quê? Porque negros não são bem-vindos nesta universidade", declarou uma representante do coletivo. Vários outros ativistas fizeram intervenções, discutindo o fato de "a maior Univer­si­da­de da América Latina, loca­li­zada em um país cuja metade de sua população é formada por afrodescendentes, não adotar nenhuma medida para incluir a população negra no ensino superior".
 
Diversas foram as reações dos presentes. "Trabalhar com estereótipos, como estou vendo, não ajuda a compreender. Acusar a Universidade de São Paulo de racista é algo um tanto quanto pesado e exagerado", rebateu Martins, dando como exemplo o volume de pesquisas na USP relacionadas à questão do negro.
 
Os representantes da Ocupação Preta, porém, responderam que a USP tem "apenas 7% de seu corpo discente formado por negros".
 
Minutos depois, o Ato Público do DCE, que finalmente havia começado no auditório da História, foi interrompido, tendo os membros da mesa de discussão e o público presente se integrado à ocu­pação da Aula Magna, no audi­tó­rio da Geografia. Após a manifes­tação, uma intervenção do grupo de agitação cultural Coro de Carcarás ocorreu no Vão da História e Geografia, encerrando a Calourada.