O Ministério Público Federal (MPF) e a Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) assinaram, em 31/8, um “Termo de Autocomposição” com o objetivo de garantir a segurança jurídica dos processos de avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu (PPGs) e seus respectivos cursos. O acordo foi homologado pela Justiça Federal, uma vez que se deu no âmbito de uma contenda judicial.

Em setembro de 2021, no curso de uma ação civil pública (ACP) contra a Capes proposta pelos procuradores da República Jessé Ambrósio dos Santos Jr. e Antonio do Passo Cabral, a 32ª Vara Federal do Rio de Janeiro concedeu liminar suspendendo a avaliação dos programas de pós-graduação em andamento. A ação questiona a aplicação retroativa de parâmetros de avaliação e sem previsão de regimes de transição entre um período e outro, o que poderia gerar distorções na distribuição de recursos federais que utilizam as notas da avaliação como critério. Posteriormente a 32ª Vara Federal reviu a medida: permitiu a retomada da avaliação, porém proibiu a divulgação dos resultados. 

Em fevereiro de 2022, o MPF-RJ realizou uma audiência pública para debater com a comunidade acadêmica o modelo da Avaliação Quadrienal, bem como promover o diálogo entre os órgãos públicos, as instituições de ensino superior, as organizações da sociedade civil envolvidas no processo e a comunidade, para consecução de objetivos comuns. Participaram da audiência Cláudia Queda de Toledo, presidenta da Capes, e outros representantes da instituição, bem como entidades científicas, grupos de docentes críticos à avaliação nos moldes atuais etc. A professora Michele Schultz, presidenta da Adusp, participou da audiência na condição de representante do Andes-Sindicato Nacional.

A partir das informações coletadas no curso de quatro inquéritos civis sobre o tema, na ACP e na audiência pública, os termos do acordo de autocomposição começaram a ser construídos. Mediante a assinatura do acordo, “conseguiu-se dar plena adequação da avaliação quadrienal aos princípios constitucionais que o MPF deve resguardar”, diz o site do MPF. 

“Conseguimos equacionar não só as questões da retroatividade dos parâmetros utilizados pela Capes, que foi objeto de ACP, como também foram acordados diversos outros pontos que corrigem e aperfeiçoam o processo de avaliação dos programas de pós-graduação de todo o país”, dizem os procuradores Santos Jr. e Cabral. “E, considerando a repercussão da avaliação na aplicação de verbas públicas, que se dá de forma direta e indireta, o MPF avalia que o acordo representa garantia de tratamento isonômico e juridicamente previsível a todos os PPGs, docentes e discentes que são impactados pelas notas aplicadas”, enfatizam.

Os PPGs que tiverem suas notas rebaixadas pela avaliação 2017-2020 poderão requerer a aplicação da nota do quadriênio anterior, caso o rebaixamento seja advindo de alteração extemporânea dos parâmetros da avaliação. Ou seja, nenhum PPG no Brasil será prejudicado em sua nota pela maneira como a avaliação foi feita, caso tenha ocorrido a criação extemporânea de parâmetros e sua aplicação retroativa.

Em 12/9 a Capes comunicou “com enorme satisfação, a toda [a] comunidade acadêmica, a homologação judicial do Termo de Autocomposição firmado entre a Capes e o MPF, resultando na revogação definitiva da decisão liminar que impedia a divulgação dos resultados da Avaliação Quadrienal”. A divulgação dos resultados está liberada, frisou o comunicado

“De imediato, deixam de vigorar as restrições impostas à divulgação dos resultados preliminares por qualquer dos avaliados, que constaram de alertas (disclaimers) na Plataforma Sucupira e cuja existência somente se justificava em razão da decisão judicial, agora revogada”. Ainda segundo a Capes, “o Termo de Autocomposição homologado em juízo equacionou todas as questões suscitadas na ação civil pública”, permitindo assim “o restabelecimento pleno da rotina institucional da Avaliação Quadrienal”.

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.