Foto: Alesp

Deputado Frederico d'Avila

Docente da Faculdade de Direito da USP, a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL) protocolou na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) no último dia 8/6 requerimento para tramitação em regime de urgência do projeto de lei (PL) 151/2021, de autoria do deputado Frederico d’Avila (PSL), que autoriza o governo a suspender o pagamento dos salários de várias categorias de servidores públicos — incluindo os reitores e docentes das universidades estaduais paulistas — durante o período em que perdurar o estado de calamidade decorrente da pandemia da Covid-19.

O projeto de d’Avila, protocolado no dia 18/3,estabelece a suspensão total de pagamento dos salários quando o Estado estiver na fase vermelha do Plano SP e a redução de 50% durante a fase laranja.

São os seguintes os alvos do deputado, além dos reitores e professores universitários: governador, vice-governador, secretários, secretários adjuntos, chefes de gabinete, deputados estaduais, presidentes de autarquias, defensores públicos, promotores de Justiça, juízes de direito e procuradores de Justiça. O texto exclui “profissionais da área da saúde e da segurança pública”, assim como “todo o funcionalismo, terceirizado ou não, de que dependa sua estrutura funcional”.

“É preciso que os órgãos públicos se adaptem à realidade econômica do estado e atenda[m] os anseios da população que, constantemente se manifesta inconformada com os gastos com o funcionalismo público enquanto vivencia a diminuição da renda familiar, quando não a perda do emprego”, diz a justificativa do projeto, na canhestra redação que caracteriza todo o texto.

“Se podem trabalhadores, comerciantes e empresários absterem-se de seus rendimentos, com maior razão, podem funcionários públicos de altos cargos, e, ante o múnus público que exerce, apoiar a coletividade desse momento de cruel crise pandêmica”, prossegue a justificativa. À demagogia, como se nota, soma-se visível déficit lógico e gramatical.

Autor do projeto é defensor do agronegócio, monarquista e bolsonarista

Adversário figadal do governador João Doria (PSDB), d’Avila foi uma das lideranças envolvidas na organização do “tratoraço” promovido em janeiro por entidades do agronegócio contra o aumento das alíquotas do ICMS determinado pela lei 17.293/2020.

Na sua página no Facebook, na qual apresenta-se como “produtor rural”, “monarquista, eleito com a força do agronegócio, do Sudoeste Paulista e de Jair Bolsonaro”, o deputado aborda seguidamente o projeto e critica sua tramitação morosa. “Pela décima primeira semana consecutiva, não entra em pauta na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, o meu projeto de lei 151/2021, que durante o período crítico da pandemia, reduz e corta integralmente salários de funcionários que ocupam altos cargos do poder público”, publicou d’Avila no dia 12/6. “POVO PAULISTA: pressione os seus deputados estaduais e o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo!”, conclamou.

Numa postagem no dia 9/6, escreveu: “Os trabalhadores perderam sua renda porque foram impedidos de trabalhar, portanto, é uma questão moral que as autoridades responsáveis também sintam no bolso as escabrosas consequências de suas decisões. Caso o governador e seus secretários, os juízes, promotores e deputados estaduais, sofressem na pele o que impõem ao povo, sabemos que essas medidas restritivas seriam dissolvidas num piscar de olhos!”

Em março, poucos dias depois de apresentar o projeto, escreveu que o PL 151 visa a “corrigir algo que é mais que uma injustiça comum: configura uma verdadeira crueldade que os altos cargos públicos, diretamente envolvidos com a imposição e manutenção das fases mais restritivas do Plano São Paulo, não sofram as consequências dessas arbitrariedades injustificáveis, como vem sentindo na pele a esmagadora maioria da população, formada por contribuintes que sustentam todos esses salários”.

Caberia perguntar ao deputado em que medida professores universitários e defensores públicos, por exemplo, estão “diretamente envolvidos” com o que qualifica de “arbitrariedades injustificáveis”. Ao contrário do que a visão ideológica distorcida do parlamentar supõe, a academia foi pouco ouvida na formulação do Plano SP — e as universidades estão na linha de frente na luta pela vida e contra os efeitos perversos da pandemia, produzindo pesquisa e provendo serviços essenciais à saúde em seus hospitais, para citar apenas dois exemplos.

No dia 23/3, arriscando-se no terreno da ciência política, d’Avila escreveu que “não faz parte da Democracia um poder público que é imune ao que impõe à população”. “Na realidade, trata-se de uma característica distintiva de regimes autoritários e socialistas”, arrematou, com a indefectível escala nos “delírios comunistas” tão citados por seguidores de Bolsonaro.

A página do deputado no Facebook dá uma espécie de curso intensivo de bolsonarismo e negacionismo em relação à pandemia, com críticas às propostas de lockdown e às restrições de abertura do comércio e de serviços. Abundam louvações ao porte de armas e à Polícia Militar, além de uma verdadeira obsessão com tudo o que diga respeito à Venezuela.

Há até elogios à atuação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que na célebre reunião ministerial de 22/4/2020 defendeu aproveitar o “momento de tranquilidade”, uma vez que o foco da cobertura da imprensa estava na Covid-19, para “ir passando a boiada” com “reformas infralegais de desregulamentação”.

Um dos resultados mais nefastos dessas ações é o avanço ininterrupto do desmatamento no país. Em abril de 2021, exatamente um ano após o discurso da “passagem da boiada”, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontou recorde de desmatamento na Amazônia, com índice de devastação 43% superior ao de abril do ano passado.

No início de junho, a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a instauração de um inquérito para investigar Salles pela prática dos delitos de advocacia administrativa, obstar ou dificultar a fiscalização ambiental e impedir ou embaraçar a investigação de infração penal que envolva organização criminosa. A ministra atendeu a pedido da Procuradoria-Geral da República a partir da Operação Handroanthus, da Polícia Federal, que resultou na apreensão de 226 mil metros cúbicos de madeira extraídos ilegalmente por organizações criminosas na Amazônia.

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.