Não bastasse a má vontade da Reitoria da USP e o descaso da própria unidade de ensino a que está vinculado, a Faculdade de Medicina, o Centro de Saúde Escola do Butantã (CSEB) agora está enfrentando mais uma ameaça à sua existência: a solicitação feita pelo Instituto Butantan de interrupção da cessão do terreno onde o CSEB está instalado desde sua criação, em 1977, à Avenida Vital Brasil 1.490.

Em ofício enviado ao reitor Vahan Agopyan em 7/4, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, sugere que pretende a retomada do imóvel, com a finalidade de expandir a fabricação de vacinas. “Referido imóvel, contíguo ao Instituto Butantan, pertence à Fazenda do Estado, sendo certo que foi permitido seu uso à USP, a título precário, por meio do Decreto 50.797, de 15 de maio de 2006. A despeito do fato de o referido equipamento público ser evidentemente importante, para a população e para a própria formação dos alunos da Universidade de São Paulo, o Instituto Butantan carece de espaço para eventual expansão de sua área fabril, mormente em se considerando que o Plano Diretor do Instituto reduziu a área fabril a determinada e ínfima parcela do Parque”, diz o ofício, acrescentando que o imóvel ocupado pelo Instituto Butantan foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephat), o que dificultaria a expansão pretendida.

“Diante da imperiosa necessidade do Butantan em buscar alternativas para a expansão da área fabril, repito, o imóvel onde se encontra instalado o Centro de Saúde-Escola, com 2.270 metros quadrados de terreno seria de uma utilidade ímpar para o Instituto”, enfatiza Covas, que passa então a oferecer uma alternativa de localização para o CSEB: “É evidente, por outro lado, que não se pode imaginar prejuízo para a população, tampouco para a Universidade, que certamente precisa contar com equipamento semelhante. Nesse sentido, não havendo alternativas dentro dos limites da própria Universidade para a instalação de um Centro-Escola de Saúde, como por exemplo no Hospital Universitário, a Fundação de Apoio ao Instituto Butantan já manifestou a possibilidade de realizar em imóvel do Butantan, em área próxima ao Seade [Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Estatísticos], a construção de um equipamento semelhante ao que hoje existe”.

De acordo com abaixo-assinado na Internet intitulado “CSEB fica!”, que acaba de ser criado, a proposta de Covas é vaga — “Não há garantia de que haja um local alternativo” — e carece de fundamentação razoável: “Ainda que não se questione a importância da fabricação de vacinas pelo IB, é difícil aceitar que não haja alternativas a uma medida tão drástica, como a demolição de um serviço prestes a completar 44 anos, gastando um recurso que poderia ser direcionado a espaços subutilizados no entorno do Instituto”.

Assim, explica o texto do abaixo-assinado, a ameaça de despejo “motivou a mobilização do Comitê em Defesa do CSEB”, formado por trabalhadores e usuários do serviço e por entidades (Sindicato dos Trabalhadores da USP-Sintusp, Coletivo Butantã na Luta, Rede Butantã e Associação de Médicos Residentes da Faculdade de Medicina-Amerusp), e a de parlamentares do PSOL e do PT.

O CSEB, lembra ainda o documento, é um serviço de atenção primária responsável pelo atendimento à população de uma área de abrangência com 25 mil pessoas. Participa da formação de estudantes de vários cursos de graduação e de residência médica e multiprofissional da USP. “É reconhecido nacionalmente como centro de inovação em tecnologias para a atenção primária à saúde”.

O 6º Encontro de Moradores do Butantã, realizado em 22/5, aprovou moção de apoio intitulada “O CSEB fica! São 44 anos de ensino e saúde pública de qualidade!”. “Temos certeza de que o Instituto Butantan tem alternativas de espaços e terrenos em sua volta que possam ser requisitados e/ou adquiridos e que não sejam os equipamentos públicos existentes —além do CSEB, a Escola Estadual Alberto Torres e o Centro de Economia Solidária — que prestam grandes serviços à população moradora do Butantã. O que prejudicaria ainda mais essa população já sacrificada com as políticas de desmonte e redução das ações sociais do Estado, somadas ao crescente desemprego das camadas mais vulneráveis da população”.

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.