Nesta segunda-feira (17/5), o Fórum das Seis — articulação que congrega as entidades sindicais e estudantis da Unesp, Unicamp, USP e do Centro Paula Souza (Ceeteps) — divulgou moção de apoio ao professor Conrado Hübner Mendes, da Faculdade de Direito da USP (FD), alvo de uma representação do procurador-geral da República, Augusto Aras, à Comissão de Ética da universidade, por suposta violação ética (“calúnia, injúria e difamação”).

Trata-se de uma retaliação de Aras às severas críticas à sua atuação na Procuradoria-Geral da República (PGR), publicadas por Hübner em artigos no jornal Folha de S. Paulo e em postagens na rede social Twitter, nos quais denuncia a omissão e o servilismo do procurador-geral frente ao presidente da República, apesar dos notórios crimes de responsabilidade cometidos por Jair Bolsonaro e seus ministros.

A moção do Fórum das Seis, intitulada “Defesa da livre expressão. Crítica a ações cerceadoras e intimidatórias”, explicita “total solidariedade ao docente, cujos temas abordados têm sido bem fundamentados, esclarecedores e de relevada importância social”.

Na moção, o Fórum das Seis “exorta a Comissão de Ética da USP, após análise da representação feita pelo procurador-geral, a reconhecer a contribuição social feita pelo professor Conrado por meio de suas publicações e a posicionar-se em defesa da livre expressão do profissional, que se dedica à crítica fundamentada de instâncias governamentais, que ao invés de questionar a omissão ou a falta de agilidade no trato da coisa pública — como tem ocorrido, sobretudo nesses tempos da pandemia em curso —, encontra tempo para investigar aquilo que identifica apenas como ‘calúnia, injúria e difamação’”.

Nesta quarta-feira (19/5), às 18 horas, por iniciativa de docentes da FD e do Centro Acadêmico XI de Agosto, com apoio da Adusp, será realizado um ato virtual de desagravo ao professor Hübner, intitulado “Ato em Defesa da Liberdade de Expressão Acadêmica”.

 
 
Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.