A Reitoria comunicou, no último sábado (28/3), a morte por Covid-19 de um aluno da USP. De acordo com a nota publicada pelo Jornal da USP, órgão oficial da universidade, “na manhã de hoje, dia 28 de março, no Hospital Universitário da USP [HU], o estudante do Instituto de Química (IQ), V.L.T, 56 anos, faleceu em decorrência da Covid-19”. Mais tarde, o jornal O Estado de S. Paulo publicou o nome completo do estudante: Verdy Luís Tiburcio.

“O aluno não era morador do Conjunto Residencial da USP (Crusp) e não há qualquer registro de passagem pelo Serviço Social da SAS [Superintendência de Assistência Social]”, acrescenta a Reitoria na nota, procurando dissociar o episódio das péssimas condições do Crusp, que vêm sendo objeto de denúncias.

“A USP lamenta profundamente o ocorrido e informa que está tomando providências para identificar eventuais colegas, professores e funcionários que estiveram em contato com o aluno e orientá-los como proceder”, diz ainda a nota. “As aulas de graduação e de pós-graduação da Universidade estão suspensas desde o dia 17 de março e os estudantes estão em regime de aulas a distância. O Serviço Social da SAS e o Escritório de Acolhimento em Saúde Mental da Pró-Reitoria de Graduação estão em contato com a família do estudante para oferecer o suporte da USP neste difícil momento”.

“Pontos emergenciais para garantir o funcionamento pleno do HU”

O HU, onde morreu Tiburcio, procura recuperar-se de um processo de desmantelamento iniciado na gestão M.A. Zago-Vahan Agopyan. Depois de prolongada luta do Coletivo Butantã na Luta e dos sindicatos (Sintusp e Adusp) e estudantes, com apoio da Assembleia Legislativa, nos últimos meses a Reitoria foi compelida a realizar uma contratação emergencial para repor parte do quadro de profissionais de saúde. A epidemia Covid-19, cujo enfrentamento requer enormes recursos em termos de equipamentos, médicos e pessoal de enfermagem, coloca em destaque a situação do hospital.  

“Nos últimos dias, foi confirmada a primeira morte por Covid-19 no Hospital Universitário da USP [...] estamos há vários dias tentando agendar uma reunião com a Superintendência do hospital para tratarmos de alguns pontos emergenciais para garantir o funcionamento pleno do HU e também a segurança dos profissionais que nele trabalham”, declarou o Sintusp em boletim datado de 29/3.

“Os pontos centrais que apresentamos como reivindicações a serem debatidas são: 1 – dispensa dos profissionais que estão nos grupos de risco ou que convivam com pessoas do referido grupo, gestantes e lactantes e pessoas com filhos menores de 10 anos, em todas as áreas do hospital, incluindo os serviços terceirizados. 2 – Contratação emergencial para suprir a demanda e garantir o pleno funcionamento do hospital. 3 – Garantia de todos os equipamentos de proteção individuais necessários, para todas as áreas do hospital”.

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.