Proposta precisava de 82 votos favoráveis, mas recebeu 79. Houve também cinco votos contrários e 15 abstenções. Ainda na reunião desta terça (10/3), o reitor Vahan Agopyan falou da preocupação com o coronavírus – a USP criou um Grupo de Trabalho relacionado ao tema – e anunciou que o edital para a progressão horizontal dos docentes será publicado em março

A proposta de reestruturação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) não foi aprovada na reunião do Conselho Universitário (Co) da USP desta terça-feira (10/3). Era necessário que conquistasse 82 votos, o equivalente a dois terços do colegiado, mas houve 79 votos a favor e cinco contrários, com 15 abstenções.

“O trabalho não foi perdido”, disse o reitor Vahan Agopyan, lamentando o resultado, ao professor Pietro Ciancaglini, diretor da “Filô”, como é conhecida. “A proposta pode ser reapresentada”, prosseguiu o reitor, acrescentando que a votação desta terça apenas retarda a reestruturação.

A proposta foi defendida pela maioria dos oradores que se manifestaram na reunião, inclusive pelos representantes dos servidores e alunos da unidade. No final de sua explanação, na qual ressaltou que a reformulação ajudaria na expansão dos cursos e atividades atualmente concentrados na FFCLRP, Ciancaglini apresentou um vídeo gravado pelo prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (PSDB), que também expressou seu apoio ao projeto.

O presidente da Comissão de Atividades Acadêmicas (CAA), Luiz Henrique Catalani, salientou a maior eficiência administrativa e a racionalização dos recursos com o “compartilhamento de serviços administrativos” pelas unidades e chamou a atenção para as potenciais “novas sinergias” e o “caráter inovador” da proposta dos novos institutos.

Já a diretora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), professora Maria Arminda do Nascimento Arruda, trouxe questionamentos sobre a divisão num momento em que se ressalta a importância de cursos e atividades que valorizem a integração das diferentes disciplinas.

De acordo com a proposta, a “Filô” permaneceria com dois de seus atuais sete departamentos – o de Música e o de Educação, Informação e Comunicação –, enquanto os demais departamentos dariam origem a duas novas unidades: o Instituto de Ciências, Tecnologia e Inovação (ICTI), resultante da união dos três departamentos de Exatas (de Computação e Matemática, de Física e de Química), e o Instituto de Ciências da Vida (ICV), com os departamentos de Biologia e de Psicologia. 

Reitoria cria GT para sistematizar ações relacionadas ao coronavírus

O reitor Vahan Agopyan abriu a reunião abordando a preocupação da USP com o coronavírus, solicitando a toda a comunidade que mantenha a calma e recorra à Superintendência de Saúde para obter orientações e informações. “Como regra geral, viagens ao exterior não são recomendadas. Se puder cancelar, vamos cancelar”, recomendou.

No último dia 6/3, a Reitoria publicou portaria criando um Grupo de Trabalho (GT), denominado GT-USP Covid-19, cujo objetivo é “sistematizar as diversas ações e pesquisas desenvolvidas pela USP direcionadas ao entendimento/combate da Covid-19, bem como colaborar com a Secretaria Estadual da Saúde, por meio da comunicação de conhecimento e da apresentação de propostas”. Os integrantes do grupo são os professores Esper Georges Kallas (FM), coordenador, Anna Sara Shafferman Levin (FM), Eurico de Arruda Neto (FMRP), Marcos Silveira Buckeridge (IB), Luís Carlos de Souza Ferreira (ICB), Ester Cerdeira Sabino (FM) e Benedito Antonio Lopes da Fonseca (FMRP). O grupo deve apresentar relatório com propostas em até 60 dias.

Agopyan referiu-se também à nova lei da Previdência dos servidores estaduais, aprovada na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) e sancionada no último dia 6/3 pelo governador João Doria (PSDB). De acordo com o reitor, a Coordenadoria de Administração Geral da USP (Codage) preparou um documento com avaliações das mudanças e tabelas do impacto das novas alíquotas de contribuição previdenciária. O material deve ser distribuído e disponibilizado pela Codage a partir desta quarta-feira (11/3).

O reitor comunicou ainda que o edital do processo de progressão horizontal para os docentes será publicado ainda em março. A progressão é aberta a todos os docentes habilitados e a avaliação será realizada pela Câmara de Atividades Docentes (CAD).

O Co aprovou a recondução dos atuais pró-reitores e pró-reitores adjuntos para a segunda metade da gestão V. Agopyan-A.C. Hernandes. A única alteração na nominata é o ingresso da professora Carmen Silvia Fávaro Trindade (FZEA) como pró-reitora adjunta de Pesquisa, substituindo a professora Emma Ota (IP), que solicitou sua saída para se dedicar a projetos de pesquisa.