A gestão M.A.Zago-V. Agopyan elevou a um novo patamar a tradição vigente na USP de um reduzido grupo de professores titu­la­res, chamados às vezes de “car­deais”,  acumular cargos. A tradi­ção, de per si suficientemente perversa, consistia geralmente nas participações concomitantes, em diferentes comissões estatutárias, de determinados personagens influentes, eventualmente agraciados também, ao mesmo tempo, com algum cargo executivo.

A gestão atual de certa forma inovou: agora, um mesmo personagem da estrita confiança da Reitoria exerce, simultaneamente, dois ou até mesmo três cargos executivos estratégicos. 

O professor José Antonio Visintin acumula a direção da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootec­nia (FMVZ) com a Superintendência de Prevenção e Proteção (SPP). É extravagante que um médico veterinário tenha sido designado para dirigir a segurança da USP, mas realmente complicado é imaginar que este cargo e a direção da faculdade possam ser exercidos ao mesmo tempo de maneira satisfatória. Tanto mais quando Visintin ainda acumula o expediente da Prefeitura do Campus do Butantã.

Outro “supergestor” é o professor Waldyr Jorge. Depois de dirigir ao longo de diferentes gestões reitorais a Coordenadoria de Assistência Social (Coseas), atual Superintendência de Assistência Social (SAS), Jorge elegeu-se diretor da Faculdade de Odontologia (FO). Hoje ele acumula a SAS, a direção da FO e, desde novembro de 2014, a Superintendência do Hospital Universitário (HU), que assumiu em plena crise institucional, após a saída de Sandra Grisi.

Questionado pelo Informativo Adusp a respeito do tríplice exercício de cargos, Jorge, que é cirurgião dentista, preferiu responder pela ótica da capacidade e dedicação individuais: “Não sou de fugir das responsabilidades. Se eu dou conta... Tenho condições morais, éticas e profissionais de responder [pelos três cargos]. Continuo dando aulas e operando”.

Atuação desastrosa

Particularmente digno de nota, entre os “supergestores”, é o caso do professor Osvaldo Shiguero Nakao. Ele notabilizou-se por uma atuação desastrosa à frente da Superintendência do Espaço Físico (SEF), especialmente ao longo do primeiro ano da gestão (2014), quando se incompatibilizou totalmente com o movimento de docentes, funcionários e estudantes da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), ao tratar de modo ligeiro e irônico a grave questão ambiental daquele campus.

Depois de declarações totalmente disparatadas que Nakao fez a estudantes, acusando docentes de “manipulação”, a própria Congregação da EACH exigiu da Reitoria sua imediata saída do cargo. Mas, apesar dos protestos, M.A. Zago o manteve na SEF. Mais recentemente, nomeou-o chefe do Gabi­ne­te da Reitoria, cargo agora acu­mulado com o de superintendente do Espaço Físico. Diante de tais demonstrações de prestígio, intriga saber-se que Nakao era também funcionário da USP e que, nessa condição, aderiu ao Programa de Incentivo à Demissão Voluntária (PIDV).

Tais práticas suscitam a impressão de que a USP não tem quadros à altura em número suficiente para preencher seus cargos executivos.

Outro auxiliar do reitor em situação peculiar é o professor José Roberto Drugowich de Felício. Primeiro chefe de gabinete da atual gestão, deixou o cargo em junho, quando M.A. Zago o nomeou para a Superintendência de Assuntos Institucionais. Quando explodiu o novo escândalo da Fundação de Apoio à USP (FUSP), em agosto, o reitor — depois de obter a renúncia do então diretor executivo da entidade, professor José Roberto Cardoso, implicado nas transações denunciadas — investiu Drugowich no principal posto da fundação privada, com a missão declarada de investigar o ocorrido, com transparência.

Aos que estranharem a confusão entre público e privado, vale lembrar que M.A. Zago preside o Conselho Curador da FUSP. Portanto, tanto ele como Drugowich estão incorrendo em conflito de interesses, na medida em que ocupam cargos na USP e na entidade privada, paralelamente. A Reitoria tenta abafar o caso FUSP.

Procurados pelo Informativo Adusp, para que comentassem a questão do acúmulo de cargos, os professores Nakao e Visintin não se manifestaram até o fechamento desta edição.

Informativo nº 410

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.