Representantes da Adusp foram convidados a participar de uma reunião no próximo dia 27/1 no Ministério Público de São Paulo (MP-SP) para tratar de “problemas de funcionamento” do Hospital Universitário (HU) da USP. A reunião, em formato remoto, foi convocada pelo promotor Arthur Pinto Filho, da área de Saúde Pública da Promotoria de Justiça e Direitos Humanos do MP. Também foram chamados representantes da Superintendência do HU e o presidente do seu Conselho Deliberativo (CD), professor Tarcisio Eloy Pessoa de Barros Filho, diretor da Faculdade de Medicina (FM-USP).
 
A Adusp será representada por sua vice-presidenta, professora Michele Schultz Ramos, e pelo professor César Minto, ex-presidente da entidade. Ambos integram o GT-HU, grupo de trabalho criado em 2020 no âmbito do CD — com a participação ainda de representantes do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), Sindicato dos Médicos (Simesp), Diretório Central dos Estudantes (DCE-Livre) e Coletivo Butantã na Luta (CBL), além da própria Superintendência do HU — e cuja finalidade é enfrentar os problemas do hospital e garantir a preservação das condições de trabalho frente à Covid-19.
 
A convocação se dá na sequência da iniciativa da Adusp, Sintusp e CBL de enviar um ofício ao promotor no qual afirmam que a Superintendência, o CD e a Reitoria da USP foram omissos “frente à gravidade da situação” gerada pela pandemia, o que “caracteriza improbidade administrativa”. No ofício, encaminhado no dia 22/12, as entidades solicitam que o MP “adote as medidas cabíveis, capazes de fazer frente à crise aguda no Hospital Universitário e também de cobrar legalmente as omissões das autoridades mencionadas”.
 
No MP-SP, os procedimentos relativos ao HU foram instaurados em julho de 2014, quando a gestão do então reitor M. A. Zago, cujo vice era o atual reitor, Vahan Agopyan, iniciou o processo de ataques e sucateamento do hospital, agravado por medidas como as duas edições do Programa de Incentivo à Demissão Voluntária (PIDV), que provocaram a perda de centenas de funcionários em 2015 e 2016. De lá para cá, o cenário tem piorado, sem que a Superintendência, o CD e a Reitoria apresentem soluções para reverter a precarização e restabelecer a capacidade de atendimento que o HU possuía antes da gestão Zago/Agopyan.

GT apresenta questionamentos ao processo de contratação temporária no hospital

Em ofício encaminhado ao CD e ao superintendente do HU, Paulo Ramos Margarido, na última quarta-feira (13/1), o GT apresenta uma série de questionamentos sobre a Resolução USP 8.058/2020, que dispõe sobre a contratação temporária de funcionária(o)s para o HU. O grupo considera que o fato de as contratações serem realizadas para um período de dois anos é um avanço, ainda que tardio. Porém, questiona a exigência de que a(o) mesma(o) profissional só possa ser recontratada(o) passados 200 dias do término do primeiro vínculo, considerada a situação de agravamento da pandemia.
 
O GT perguntou qual é o número total de contratações temporárias que serão realizadas e quais a(o)s demais profissionais a serem contratada(o)s, pois os processos abertos se referem apenas a médicos, em número de 22. “Uma vez que as equipes de saúde são compostas por diferentes profissionais e não só por médica(o)s, não seria adequado que houvesse previsão de contratação de toda(o)s em conjunto?”, questiona o grupo.
 
Em relação aos objetivos das contratações, o GT formulou vários questionamentos, reproduzidos a seguir: “Em função do agravamento da pandemia pelo novo coronavírus, já previsto desde novembro p.p., essas contratações serão suficientes para o pleno funcionamento do HU e para a retomada sustentável, em paralelo, das cirurgias eletivas e atendimentos? Elas permitirão a retomada de normalidade das consultas e cirurgias eletivas simultaneamente ao atendimento da ampliação da demanda decorrente do recrudescimento da Covid-19? Permitirão a substituição dos 180 funcionários contratados por um ano com o recurso Alesp 2018 [via emenda parlamentar]? O número de funcionários que serão contratados permitirá ampliar o número de leitos, considerando que hoje apenas 150 são ativos?”
 
Indagou, ainda: “Tendo em vista que a Resolução USP nº 8.058/2020 de 23/12/2020 menciona a ampliação da população assistida foi ampliada de 428 mil para 1 milhão de pessoas, o número de contratações é compatível com esta ampliação? Considerando que a resolução não especifica a fonte de recursos para tais contratações, questionamos: qual será a origem dos recursos financeiros para a totalidade das contratações e se esses recursos serão mantidos?”. Nesse ponto, prossegue o ofício, “é importante saber se a USP e o HU conseguiram nas negociações com o governo do Estado o descontingenciamento dos R$ 20 milhões aprovados pela Alesp no ano de 2019 para o orçamento de 2020”.
 
O GT também pergunta se o CD e as chefias técnicas dos diferentes serviços foram previamente consultadas sobre “quais e quanta(o)s profissionais deverão ser contratada(o)s, uma vez que o panorama de pessoal do HU já difere daquele de 2019 em decorrência de aposentadorias, demissões, mortes e afastamentos”.

Redução do número de leitos para Covid-19 no Hospital das Clínicas tem reflexos no HU

O agravamento da pandemia também tem reflexos na instituição, e o GT questiona o Conselho Deliberativo a respeito, especialmente quanto à relação do HU com o Hospital das Clínicas (HC-FMUSP). A direção do HU chegou a declarar que o hospital era “livre de Covid-19”, o que obviamente não fazia sentido. Pacientes diagnosticados com a doença e que precisavam ser internados eram transferidos em questão de horas para o HC. Entre abril e setembro, o Instituto Central do HC foi dedicado exclusivamente ao atendimento de pacientes de Covid-19, com 900 leitos — 300 deles de UTI, com taxa de ocupação que chegou a ultrapassar 90%.
 
A partir de outubro, porém, o HC reduziu o número de leitos destinados à doença. Atualmente são 265 leitos de enfermaria em todo o complexo e 200 de UTI no Instituto Central e no Instituto do Coração (InCor), com ocupação média em torno dos 70%, de acordo com a assessoria de imprensa do HC. Com a redução dos leitos disponíveis e a desativação dos hospitais de campanha, os pacientes diagnosticados com a Covid-19 que necessitam de internação têm permanecido por vários dias no HU até que se consiga vaga no HC ou em outro hospital de referência para a doença.
 
O ofício do GT é finalizado com o questionamento sobre se as contratações se destinam a “preservar a vida de funcionária(o)s que compõem grupos de risco, permitindo afastamentos, teletrabalho ou escala mínima”.
 
 
Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.