No dia 8/3, os professores da rede municipal de São Paulo entraram em greve contra o projeto de lei 621/2016, que pretende reformar a Previdência dos servidores municipais. No dia 15/3, o projeto deve ser votado na Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa (CCJ) da Câmara Municipal.

Se aprovado, aumentará a contribuição normal do Regime Próprio de Previdência Social de 11% para 14%, além de impor uma alíquota suplementar para “equacionamento do déficit” da Previdência municipal, que pode chegar a 5% do salário.

Reino Unido

Professores universitários de mais de 57 instituições estão em estado de greve desde o dia 22/2 contra mudanças em suas aposentadorias e planejavam uma paralisação total durante os dias 12 a 16/3. O sindi­cato UCU prevê que os docentes percam 9.600 libras anuais.

Informativo nº 445

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.