A greve dos trabalhadores e trabalhadoras do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) foi suspensa no segundo dia (terça-feira, 27/7), por determinação da assembleia da categoria, conduzida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Pesquisa, Ciência e Tecnologia (SinTPq). Enquanto aguardam que o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) agende uma audiência para tratar do dissídio, o estado de greve será mantido.

O corpo funcional do IPT reivindica reajuste de 8,51% para recompor as perdas salariais dos últimos três anos. O instituto é vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), pasta do governo estadual.  A gestão João Doria (PSDB) e a direção do instituto oferecem “reajuste zero”.

“O segundo dia de greve no IPT foi novamente marcado por forte mobilização na portaria e mais de 120 trabalhadores participando de forma online. Durante a assembleia permanente, o SinTPq informou sobre a abertura do dissídio coletivo de greve, encaminhada pelo jurídico do sindicato”, informa a página digital do sindicato.“Considerando a conclusão dessa etapa, os trabalhadores e trabalhadoras votaram pela suspensão da paralisação, com continuidade do estado de greve”.

Ficou decidido, além disso, que uma nova assembleia será realizada às 8h da manhã do dia útil seguinte à audiência pré-processual. “Nestes dois dias de greve, os profissionais do IPT mostraram a sua força ao lutar por seus direitos. Mais do que isso, mostraram o poder da mobilização coletiva e como ela é o único caminho perante um governo intransigente e desrespeitoso”.