“O Brasil vive uma grave crise — sanitária, econômica, social e política — exigindo de toda [a] sociedade, especialmente de governantes e representantes do povo, o exercício de uma cidadania guiada pelos princípios da solidariedade e da dignidade humana, baseada na democracia e na busca de soluções conjuntas para o bem comum de toda a população. O País é hoje o epicentro da pandemia da Covid-19 na América Latina. Temos a maior taxa de transmissão da doença, o segundo maior número de casos no mundo e a maior taxa diária de mortes, mesmo sem considerar a comprovada subnotificação. Vivemos uma situação de gravíssima emergência em saúde pública, com mais de 400.000 infectados já notificados e ultrapassamos 25.000 mortos”.
 
Este é o parágrafo inicial do Manifesto pela Vida, lançado em 29/5 e subscrito por importantes organizações como Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Conselho Nacional de Saúde (CNS), Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes), Sociedade Brasileira de Bioética (SBB), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e outras, que acordaram reunir-se em torno da Frente pela Vida.
 
O Fórum das Seis — que articula os sindicatos que atuam na USP, Unesp, Unicamp e Centro Paula Souza, bem como os respectivos diretórios estudantis — decidiu juntar-se a este movimento e, portanto, à “Marcha pela Vida”, que será realizada na próxima terça-feira (9/6), por meio de várias atividades virtuais.
 
Assim, o Fórum das Seis convida servidores docentes, técnico-administrativos e estudantes da Unesp, Unicamp, USP e Centro Paula Souza a participarem dos seguintes eventos previstos para 9/6: atividades locais e setoriais pela manhã; tuitaço ao meio-dia; manifestação virtual em Brasília ao meio-dia; painel online de depoimentos das 13 às 15 horas; ato político de apresentação pública dos pontos essenciais da Marcha, às 16 horas; e programação cultural às 18 horas (confira detalhes no quadro).
A Frente pela Vida, “para a qual todos os setores da sociedade brasileira estão convidados a participar”, está baseada nos seguintes pilares, segundo o Manifesto:
  • “O direito à vida é o bem mais relevante e inalienável da pessoa humana, sem distinção de qualquer natureza”; 
  • “As medidas de prevenção e controle no enfrentamento da pandemia da Covid-19 devem ser estabelecidas com base científica e rigorosamente seguidas a partir de planejamento articulado entre os governos federal, estadual e municipal”; 
  • “O Sistema Único de Saúde - SUS é instrumento essencial para preservar vidas, garantindo, com equidade, acesso universal e integral à saúde”; 
  • “A solidariedade, em especial para com os grupos mais vulneráveis da população, é um princípio primordial para uma sociedade mais justa, sustentável e fraterna”; 
  • “É imprescindível para a vida no Planeta a preservação do meio ambiente e da biodiversidade, garantindo a todos uma vida ecologicamente equilibrada e sustentável”; 
  • “A democracia e o respeito à Constituição são fundamentais para assegurar os direitos individuais e sociais, bem como para proporcionar condições dignas de vida para todas e todos os brasileiros”.