O Informativo Adusp 410 noticiou que a Congregação da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA-USP) autorizou o funcionamento do cursinho pré-vesti­bu­lar oferecido por alunos, que vinha sofrendo pressão da direção da unidade.

A resposta do diretor, professor Adalberto Fischmann, às perguntas encaminhadas pela reportagem chegou após o fechamento da edição. Ele explica que a regularização do uso do espaço da FEA pelo cursinho pré-vestibular “de­pen­de da formalização de Termo de Permissão de Uso”, devendo ser preenchidos os seguintes requisitos: “cons­ti­tuição regular da associação e comprovação de vínculo com a comunidade acadêmica”, “declaração de inexistência de cobrança de mensalidade”, “croqui do espaço”, “justificativa de interesse público” e “aprovação pela COP e CLR”.

Tais orientações “foram dadas pela Procuradoria Geral e acatadas por todos”, e o cursinho “tam­bém ficou de estudar alternativas para viabilizar a manutenção das aulas aos sábados, abrangendo segurança, vigilância e limpeza, assim como a confecção de crachás”.

Contraponto

O diretor da FEA também nega algumas das afirmações feitas na matéria citada, quanto às ameaças à continuidade do cursinho em depen­dên­cias da unidade e à relação entre o professor e fundações privadas ditas de apoio, especialmente a Fundação Instituto de Administração (FIA). Ao contrário do afirmado na matéria, diz que jamais presidiu qualquer fundação.

“Não foi dado ultimato ao cursinho. Deve ser esclarecido que houve apenas dois encontros com os dirigentes, nos quais foi levantada a questão de grande número de pessoas nas tardes de sábado, quando a FEA não tem possibilidade de oferecer condições adequadas para a atividade do cursinho. Foi então sugerido ao cursinho procurar espaço apropriado junto a um potencial parceiro, visto que aos sábados muitas organizações têm disponibilidade de espaço. Quanto às aulas nos demais dias da semana, foi informado que seria perfeitamente possível continuar na FEA”.

Sobre as entidades privadas, declara: “Nunca fui presidente de fundação. Nenhuma fundação atua nos prédios da FEA há mais de 10 anos. O último curso dado pela Fipe com a chancela da USP foi encerrado”.

Nota da Redação

O Informativo Adusp agradece ao professor Fischmann os esclarecimentos prestados. No tocante às fundações ditas “de apoio”, contudo, causa estranheza a declaração do diretor de que nenhuma delas “atua nos prédios da FEA há mais de 10 anos”, que não coincide em absoluto com as informações que possuímos.

Informativo nº 411