A juíza Simone Gomes Rodrigues Casoretti, da 9ª Vara da Fazenda Pública, acatou ação civil pública da Adusp contra o “Programa de Atração e Retenção de Talentos” (PART), instituído pela Resolução 7.754/2019 da Reitoria da Universidade de São Paulo, e determinou a suspensão de novas contratações por intermédio do programa, bem como a anulação das contratações realizadas até agora. A magistrada antecipou o julgamento, por considerar que a questão “é exclusivamente de direito e não há necessidade de instrução probatória”. A sentença tem data de 18/1 mas só foi divulgada nesta quinta-feira (18/3). Cabe recurso da Reitoria.

“Entramos com a ação antes de o programa começar, ganhamos a liminar, tinha sustentabilidade jurídica, portanto. Quando a Reitoria derrubou a liminar, sabia que a ação não terminava por ali, que a discussão judicial  continuaria e que, evidentemente, os riscos existiam. Mesmo assim ela preferiu correr os riscos e dar seguimento às contratações”, comenta a advogada Lara Lorena Ferreira, do Departamento Jurídico da Adusp. “Aliás, esse risco sempre existiu antes da nossa ação do PART. A própria Procuradoria Geral [PG-USP] já advertira para o risco das contratações temporárias, porque a lei que sustentava essas contratações havia sido julgada inconstitucional”.

Na ação judicial, a Adusp apontou o desrespeito da Reitoria à exigência de realização de concurso público (artigo 37, II da Constituição Federal), a não garantia dos direitos celetistas ou estatutários aos contratados, o desrespeito à possibilidade de enquadramento dos contratados no Regime de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa (RDIDP) e a precarização das atividades docentes. Também lembrou que a Lei Complementar 1.093/2009, na qual se baseiam as contratações previstas no PART, teve um de seus dispositivos declarado inconstitucional pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça (TJ-SP), em decisão proferida na ADI 2003663-93.2018.8.26.0000.

O PART foi criado pela Reitoria em junho de 2019, sob a alegação de “valorizar doutores recém-titulados, de todas as áreas do conhecimento, em suas pesquisas de pós-doutorado, oferecendo-lhes a oportunidade de serem agentes ativos para desenvolver suas competências e habilidades para o ensino de graduação e exercitar sua aptidão para a consecução de projetos de ensino”. No entanto, a suposta valorização esbarrava nas condições de contratação, “como docentes temporários com jornada de trabalho de 8 (oito) horas semanais, na categoria MS3.1, por um período máximo de dois anos, estando incluída neste prazo eventual prorrogação”, o que implica uma remuneração bruta mensal de R$ 1.279,15.

Na sentença, a magistrada observa que as contratações temporárias somente se justificam em caráter excepcional. “De acordo com o artigo 86 do Estatuto da USP e artigo 1º, parágrafo único, inciso VII da Resolução 5.872/2010, a contratação de docentes, por prazo determinado, deve ser realizada em caráter excepcional, para atender necessidades temporárias de interesse científico, acadêmico, cultural e tecnológico da Universidade, in verbis: ‘Artigo 86 – A Universidade poderá, em caráter excepcional, contratar, por prazo determinado, Professor Colaborador, especialista de reconhecidos méritos, portador ou não de titulação universitária.’ Resolução 5.872/2010: ‘Artigo 1º - A contratação de docente por prazo determinado será feita para atender necessidades temporárias de interesse científico, acadêmico, cultural e tecnológico da Universidade.’”

A criação do PART baseou-se na Resolução 5.871/2010, que se apoia na citada lei estadual 1.093/2009. Ocorre que o artigo 1º dessa lei, que disciplina a contratação temporária de excepcional interesse público, foi declarado inconstitucional pelo Órgão Especial do TJ-SP, sendo relator o desembargador Álvaro Passos. E, embora o processo não tenha transitado em julgado, pois foi suspenso “diante da decisão proferida na Reclamação 36.503”, proposta perante o Supremo Tribunal Federal (STF), a juíza considerou ilegal a lei 1.093/2009, uma vez que “a obrigatoriedade do concurso público (artigo 37, II da Constituição Federal) e o caráter excepcional na contratação de servidores temporários são fundamentos básicos para a atuação lícita da Administração Pública na nomeação e contratação de servidores públicos”.

Ainda segundo a sentença da juíza Simone Casoretti, “para a contratação de servidores públicos, sujeitos ao regime estatutário ou celetista, é necessária a prévia seleção mediante concurso público de provas ou de provas e títulos, conforme a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, com exceção das nomeações para os cargos em comissão, previstos em lei”. Para os temporários, continua ela, “a contratação é por tempo determinado, somente pode ocorrer para atender necessidade temporária de excepcional interesse público e tal limitação não pode ser ampliada, sob pena de se afastar do objetivo do legislador constituinte, que foi de propiciar a todos que venham atender as exigências legais e editalícias, igualdade de condições no preenchimento dos cargos e empregos públicos mediante aprovação em concurso público”.

STF veda contratações temporárias para “contingências normais”

A sentença prossegue observando que o STF firmou a tese de que, “nos termos do artigo 37, IX, da Constituição Federal, para que se considere válida a contratação temporária de servidores públicos, é preciso que: a) os casos excepcionais estejam previstos em lei; b) o prazo de contratação seja predeterminado; c) a necessidade seja temporária; d) o interesse público seja excepcional; e) a contratação seja indispensável, sendo vedada para os serviços ordinários permanentes do Estado que estejam sob o espectro das contingências normais da Administração”. Ausente qualquer desses requisitos, é nula a contratação.

No caso do PART, continua a magistrada da 9ª Vara da Fazenda Pública, a contratação de doutores recém-titulados como docentes temporários “fere o disposto no artigo 37, IX da Constituição Federal, visto que além da atividade docente ser essencial, de caráter permanente, tal contratação é dispensável, posto que a ré, conforme seu Estatuto, pode realizar concurso público para o provimento de cargos de docência”. “Não existe excepcionalidade na contratação que tem por finalidade suprir situações previsíveis, de interesse da própria USP, para o desenvolvimento de atividades didáticas. Na verdade, a contratação temporária não pode ter como base qualquer interesse público, mas apenas aquele de natureza excepcional que, diante de uma situação imprevisível e/ou extraordinária, não pode aguardar a realização de um concurso público, diante da urgência na prestação do serviço público”.

No entender da juíza Simone Casoretti, o PART “objetiva burlar a obrigatoriedade do concurso público, porque para incentivar um grupo específico de cientistas, que já desenvolveram suas linhas de pesquisas na Universidade, poderia a USP propor bolsas de docência, sem realizar contratações como professores observando, assim, os ditames constitucionais sobre a excepcionalidade na contratação de servidores temporários”.

Para demonstrar seu entendimento, a magistrada transcreve, na sentença, parte das alegações da USP quanto ao objetivo do PART, como a de que “a finalidade do programa está longe de se resumir a uma contratação pura, simples, rotineira e perene de professores”, uma vez que, “Pelo contrário, o PART visa a valorizar e aproveitar os conhecimentos de um grupo específico e restrito de cientistas que já desenvolvem suas linhas de pesquisa na Universidade os pós-doutorandos oferecendo uma oportunidade de experiência com o ensino de graduandos e pós-graduandos” (destaques conforme a sentença). Em seguida, ela as rebate.

“O desenvolvimento da pesquisa, em diversas áreas de conhecimento, deve sempre ser um dos pilares da Universidade e a interação entre pesquisadores, sem experiência em sala de aula, e alunos, é medida que deve ser observada para o desenvolvimento científico e melhora na graduação”, pondera. “Ocorre que o desenvolvimento científico, a pesquisa, a capacitação científica e tecnológica e a inovação são atividades que podem, sem dúvida, ser realizadas mediante a concessão de bolsa docência ou por professores regularmente admitidos por concurso público, com total respeito ao disposto no art. 37, II e IX da Constituição Federal. Ante o exposto, julgo procedente a ação, nos termos do art. 487, I do CPC, para determinar à ré [a USP] que se abstenha de promover contratações temporárias de docentes por meio do programa instituído pela Resolução 7.754/19 (PART), evitando-se contratações ilegais, bem como para anular aquelas já realizadas sob tal fundamento, conforme postulado”.

Um levantamento realizado pela Adusp em 2020 revelou que é inconsistente a alegação da Pró-Reitoria de Pesquisa da USP de que um dos objetivos do PART é proporcionar aos contratados “experiência de atuar em sala de aula”. Constatou-se que de166 pós-doutorando(a)s contratado(a)s por intermédio do programa, pelo menos 100 já tinham experiência anterior como docentes em instituições de ensino superior, em alguns casos até mesmo no exterior.

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.