O desembargador Vicente de Abreu Amadei, da 1a Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça (TJ-SP), acatou agravo de instrumento (recurso) interposto pela USP e suspendeu decisão liminar da 9a Vara da Fazenda Pública, que em 23 de janeiro de 2020 determinou à universidade, em ação civil pública ajuizada pela Adusp, que deixasse de promover as contratações temporárias do “Programa de Atração e Retenção de Talentos” (PART).

Tomada em 31 de janeiro, a decisão do desembargador Amadei, que é o relator do agravo da USP, é provisória (“antecipação de tutela recursal”). Nos próximos dias as advogadas da Adusp deverão recorrer da decisão, após o que o agravo será julgado pelos desembargadores que compõem a 1a Câmara de Direito Público.

O relator considerou relevantes as alegações da USP: “Sem que haja análise aprofundada do mérito, há indícios de que existe fundamento legal vigente para a contratação em questão, o Programa conta com processo seletivo em atenção aos princípios da Administração Pública, além de ostentar caráter, prima facie, bastante específico, estritamente vinculado à produção de conhecimentos avançados em pesquisa e na sua transmissão na atividade docente”.
 
Instituído pela Resolução 7.754, de 27/6/2019, o PART prevê a contratação por um ano (prorrogável por igual período) de pós-doutores como Professor Colaborador III (MS3.1), com jornada de trabalho de oito horas semanais e recebendo salário de R$ 1.279,15 e vale-alimentação de R$ 800. A Reitoria alega que se trata de um programa de “valorização” dos pós-doutores, o que é desmentido pelos traços precarizantes do programa: vínculo temporário, proibidas as recontratações ao final da eventual prorrogação; remuneração totalmente incompatível com a titulação dos pesquisadores.
 
Frente às características do PART, que se soma ao processo de precarização aguda do trabalho docente desfechado na gestão M.A. Zago-Vahan Agopyan (2014-2017), com a substituição de docentes efetivos por docentes temporários pessimamente remunerados, a Assembleia Geral da Adusp debateu a questão e decidiu autorizar a Diretoria a ajuizar ação civil pública para suspender as contratações previstas por esse programa.
 
Tese da “excepcionalidade” das contratações não se sustenta, diz juíza
 
Nas alegações que apresentou fora de prazo, a Reitoria, representada no processo pela Procuradoria Geral da USP (PG-USP), afirmaria que a Adusp “ataca politicamente a Resolução 7.754”, procurando assim minimizar as fragilidades da arquitetura legal do PART. Isso porque o programa, além de desrespeitar a necessidade de contratações por concurso público, sustenta-se na Lei Estadual 1.093/2009, que trata da admissão de servidores por tempo determinado para atendimento de necessidade de excepcional interesse público, e foi declarada inconstitucional pelo TJ-SP.
 
Ao conceder a liminar solicitada pela Adusp, a juíza Simone Gomes Rodrigues Casoretti observou que, ainda que não haja decisão transitada em julgado sobre a Lei 1.093/2009, “é forçoso reconhecer que a contratação por tempo determinado de servidores públicos, no caso docentes, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão, sem a observância de concurso público, fere o disposto no art. 37, II da Constituição Federal”.
 
Na decisão, ela refuta a tese da PG-USP de “excepcionalidade” das contratações previstas no PART: “O desenvolvimento da pesquisa, em diversas áreas do conhecimento, deve sempre ser um dos pilares da Universidade e a interação entre pesquisadores, sem experiência em sala de aula, e alunos novos, também é medida que deve ser observada sempre, para o desenvolvimento científico e melhora na graduação”.
 
Não estão em questão, conclui Simone, “os esforços da ré no aprimoramento da pesquisa científica e medidas para o desenvolvimento das competências e habilidades para o ensino da graduação”, e sim “a contratação, sem concurso público, fora do caráter excepcional previsto no art. 37, XI da Constituição Federal”.
 
Utilizamos cookies

Utilizamos cookies neste site. Você pode decidir se aceita seu uso ou não, mas alertamos que a recusa pode limitar as funcionalidades que o site oferece.