A contratação de 14 docentes da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP) por uma fundação privada dita “de apoio”, a Faepa, que controla o respectivo Hospital das Clínicas (HCFMRP), foi revelada pela Revista Adusp 24, de dezembro de 2001. Em 2004, no GT Fundações criado pelo reitor Adolpho Melfi, a Adusp denunciou oficialmente esse fato, sem que a Reitoria tomasse qualquer medida corretiva.

Dez anos após a denúncia, a Faepa continua contratando docentes para a FMRP! O mais recente edital de contratação foi aberto em dezembro de 2013, para seleção de um “docente colaborador para a área de cancerologia clínica”, sob regime CLT, com a atribuição de desenvolver “atividades de ensino, pesquisa e assistência … similares àquelas exercidas pelo corpo docente da USP, em RDIDP”; “atividades junto aos alunos de graduação da FMRP-USP, estagiários, alunos de pós-graduação, médicos residentes e médicos assistentes”.

Especificamente, o edital descreve as atividades a serem desenvolvidas na Divisão de Oncologia Clínica da FMRP-USP: na disciplina de graduação RCG0456-Oncologia Clínica; como colaborador em cursos de pós-graduação; na orientação didática e assistencial aos médicos residentes etc.

Embora informe que a jornada de trabalho “será de 40 horas semanais”, o edital adverte que em “casos excepcionais, para os contratados com base nas priorizações institucionais [sic], devida­mente justificados pelos chefes dos Departamentos interessados, com a devida aprovação de seus respectivos Conselhos, a jornada … poderá ser reduzida, desde que observado o mínimo de 20 horas semanais, e a redução seja aprovada pelo Conselho Curador da Faepa. Nestes casos, os salários serão reduzidos na mesma proporção da jornada”.

EXPRESSO ADUSP

Quer receber notícias frescas direto na sua caixa de entrada?

    Ainda conforme o edital: “Os contratados para o cumprimento de jornadas de 40 e de 28 horas semanais deverão assinar Termo de Compromisso com a Faepa, com cláusula de dedicação exclusiva às atividades a serem exercidas, por força do presente pro­gra­ma e decorrentes de vínculo empregatício ou funcional com o HCFMRP”.

    Um dos itens da agenda aprovada pela assembleia da Adusp de 19/3, e comunicada ao reitor na audiência de 21/3, consiste em “providências no sentido de que as fundações privadas ditas ‘de apoio’ deixem de utilizar o nome e o logo da USP, para divulgação de seus cursos pagos”. Na ocasião Zago comentou que “de fato excessos” deste tipo não podem ocorrer e cabe à Reitoria intervir nestes casos. Terceirizar para uma entidade privada o controle e contratações para o exercício do ensino e da pesquisa na USP é ainda mais grave. Com a palavra a Reitoria!

    Informativo nº 380

    Fortaleça o seu sindicato. Preencha uma ficha de filiação, aqui!

    LEIA MAIS