A Comissão da Verdade (CVUSP) foi criada em 7/5/13, por meio da Portaria GR 6.172, e instalada em 25/7/13, mas desde então pouco se sabe de suas atividades. Recorde-se que sua configuração resultou de  arbitrariedade do reitor J.G. Rodas, que rompeu com o Fórum pela Democratização da USP, com o qual vinha negociando a composição da CVUSP, e nomeou unilateralmente seus membros: Dalmo de Abreu Dallari, da Faculdade de Direito (FD), designado presidente; Erney  Plessmann de Camargo (ICB); Eunice Ribeiro Durham e Janice Theodoro da Silva (ambas da FFLCH); Maria Hermínia Tavares de Almeida (IRI); Silvio de Azevedo Salinas (IF); e Walter Colli (IQ).

Segundo a Portaria, a Comissão teria um ano a partir de sua instalação para trabalhar e apresentar um relatório. Passados oito meses, ainda são poucas as informações obtidas e tem sido difícil consegui-las. Dallari viajou e deve retornar  apenas em abril. Sua substituta na presidência, a professora Janice, passa metade da semana incomunicável devido a uma pesquisa que realiza em áreas montanhosas, segundo a secretária da CVUSP. Os outros membros, quando localizados, não expõem as atividades da Comissão.

Sabe-se que a única reunião da CVUSP em 2014 ocorreu em 6/3 e discutiu diretrizes internas do colegiado. A próxima reunião sequer está mar­ca­da e não tem pauta definida, sabendo-se apenas que, nela, a professora Eunice Durham, que está com 81 anos, oficializará sua saída da Comissão, por falta de condições físicas para dar continuidade aos trabalhos.

Desfalcada, espera-se que a CVUSP contemple suas atribuições, que consistem na “relevância da busca da verdade histórica dos fatos ocorridos no seio da Universidade, que, assim agindo, estará consentânea com o espírito democrático que a pauta”.

Informativo nº 378