Representantes sindicais na unidade estão sob pressão das chefias por denunciar precarização das condições de trabalho e uso do ponto eletrônico como instrumento de assédio moral

Os diretores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB), os chefes dos departamentos da unidade e todos os funcionários foram convidados para uma reunião nesta segunda (17/12) com a Diretoria do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) para discutir as condições de trabalho dos servidores e as pressões relativas especialmente aos mecanismos de controle de frequência dos servidores.

O ICB é uma das unidades em que essas pressões vêm sendo exercidas de forma mais intensa, como já noticiado pelo Informativo Adusp. Além do ponto eletrônico, há catracas que registram entradas e saídas e câmeras que podem ser utilizadas para monitorar a movimentação dos servidores.

No dia 5/12, os representantes do ICB no Conselho Diretor de Base (CDB) do Sintusp participaram de uma reunião com a presença do diretor e do vice-diretor da unidade, além da chefia do Departamento de Fisiologia, chefes imediatos, assistente administrativa e funcionários. Nesse encontro, destinado a abordar a questão do controle de frequência pelo ponto eletrônico, os integrantes do CDB foram duramente criticados pela forma como vêm tratando do tema.

Um dos questionamentos foi em relação à publicação de informações relativas ao uso desses controles como “instrumento de pressão e assédio moral” no Boletim número 90 do Sintusp, divulgado no dia 3/12. De acordo com relato dos representantes sindicais, alguns servidores presentes à reunião chegaram a pedir à direção da unidade que apurasse responsabilidades quanto à publicação e eventualmente abrisse processo administrativo contra os componentes do CDB.

O objetivo da reunião de 17/12 é demonstrar que “as condições de trabalho vêm piorando a cada dia e a Reitoria tem orientado os diretores de unidades, através das suas portarias e medidas administrativas, a aumentarem a pressão em cima dos funcionários da USP”, além de “deixar clara a posição contrária que temos sobre a política que a Reitoria vem oferecendo aos funcionários e suas consequências”, diz a circular emitida pelos organizadores.

A reunião é aberta e será realizada a partir das 11 horas, na Sala 3 do ICB I.

DRH distribui às chefias “orientações sobre registros indevidos de frequência”

O Boletim número 90 do Sintusp informa que seus diretores tiveram reunião no dia 27/11 com o presidente da Comissão Permanente de Relações do Trabalho da USP (Copert), professor Fernando Mantellato, para pedir a revogação das diretrizes expressas no documento “Orientações sobre Registros Indevidos de Frequência – Procedimentos Disciplinares”.

O material, distribuído pelo Departamento de Recursos Humanos da universidade (DRH), contém instruções sobre “situações que envolvem o intervalo intrajornada e outras ausências ao posto de trabalho que não estejam relacionadas ao trabalho”, alertando para “o correto registro de frequência”. As “Orientações” foram enviadas apenas às chefias imediatas e áreas de pessoal, com a seguinte recomendação, logo abaixo do cabeçalho: “Evite imprimir este documento”.

De acordo com o Sintusp, Mantellato “reconheceu que o documento precisa ser reformulado” e que a nova versão não será exclusiva para as chefias, mas estará “aberta à consulta de todos os trabalhadores da USP”.